18 de jan de 2012

Camilo faz Governo andar no Amapá



O ambiente político em Macapá é de guerra política, entre os que foram presos e depois soltos e o Governador Camilo. O jovem governador, já acostumado ao confronto - é filho de Capiberibe - não deixa por menos e mantém o ritmo de sua administração, muitas vezes tendo de dar voltas para não pisar em campo minado.
Mas amigos de lá dizem que o Governador vem conseguindo progredir. Convenhamos, no clima instalado de confronto com a oposição, progredir já é um feito.
A última do Amapá é um "governo paralelo" montado pelo ex senador Gilvan Borges - aquele que ocupou a vaga de Capiberibe quando esse ainda não havia assumido por conta da lei da ficha limpa. Gilvan foi preso pela Polícia Militar dia desses ao tentar construir sem licença ambiental um acesso rodoviário na capital, Macapá.
A obra é a primeira de uma série que o ex-senador diz que pretende executar à revelia do governo estadual, que é comandado por Camilo Capiberibe (PSB), cuja família é inimiga política de Borges - esse aliado de Sarney.
A verba para as obras, segundo a assessoria do ex-senador, está sendo levantada com doações de empresários locais que apoiam o "governo paralelo", que vem sendo anunciado por Borges desde o início deste ano na imprensa local e na internet. Enquanto Borges cria seus factóides, Camilo vem tentando limpar a casa e iniciar novos projetos para o Amapá, um estado tão massacrado por muitos dos políticos que ali passaram.

Nenhum comentário: