3 de mai de 2012

Trabalho


O Pará continua batendo recordes de geração de empregos. O interior do Estado vem abrindo uma elevada quantidade de vagas no mercado formal, principalmente nos setores de serviço, comércio, construção civil e extrativo mineral. Mesmo que o mês de março tenha apresentado uma pequena queda na geração de empregos, o primeiro trimestre do ano fechou com saldo positivo. Nos três primeiros meses de 2012 foram gerados 4.507 novos empregos.



Os dados são do Projeto Observatório do Trabalho, da Secretaria de Estado de Trabalho Emprego e Renda (Seter) em parceria com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA) divulgados na manhã desta quinta-feira (3). A pesquisa, chamada Mapa do Emprego Formal, é feita com base em informações oficiais do Ministério do Trabalho.



Nos últimos 12 meses, de abril de 2011 a março de 2012, o Pará apresentou uma geração recorde de empregos formais. No total, foram feitas 369.731 admissões contra 320.799 desligamentos, o que gerou um saldo positivo de 48.932 cidadãos empregados com carteira assinada, um crescimento de 7,56%. Ainda nesse período, o setor de Serviços foi o que apresentou a maior geração de empregos formais, com 17.134 postos de trabalho, seguido do setor da Construção Civil, com 15.028 postos de trabalho; do Comércio com 11.022; do setor Extrativo Mineral, com 2.215; da Agropecuária, com 1.809 e da Indústria de Transformação, com 1.394 postos de trabalho.



Até agora, só foi registrado recuo na geração de novas vagas no mês de março, uma queda de 0,02%. Foram 28.199 admissões contra 28.345 desligamentos, um saldo negativo de apenas 146 postos de trabalho.



O Mapa do Emprego define a trajetória do emprego formal no Estado do Pará, abrangendo uma análise específica dos 51 municípios com mais de 30 mil habitantes, que correspondem a cerca de 36%, dos 143 municípios paraenses. Nos 51 municípios pesquisados e analisados pelo Dieese, foram feitas no primeiro trimestre de 2012 um total de 79.286 admissões contra 75.052 desligamentos, gerando um saldo positivo de 4.234 postos de trabalho.



Também no mesmo período analisado, nos 143 municípios do Estado, foram feitas 86.704 admissões contra 82.197 desligamentos, gerando um saldo positivo de 4.507 postos de trabalho. No primeiro trimestre, do saldo total no Estado, 4.507 postos, cerca de 8% foram obtidos na Região Metropolitana de Belém, o que significa 360 novas admissões. Todo o restante, aproximadamente 92% (4.147 postos de trabalho) foram gerados no interior.

Um comentário:

Anônimo disse...

Há, há há."
Marcelo Bacana, o comunicador-político de múltiplos chapéus !