8 de mar de 2012

ONU critica Lei da Anistia brasileira


O relator da ONU contra a tortura, Juan Mendez, acusa a Lei da Anistia brasileira de ter tido seu objetivo original “travestido” e de ter sido usada como “desculpa para proteger militares e policiais.” Essa distorção da lei também ocorreu em outros países sul-americanos, mas, de acordo com o relator, esses países latino-americanos já conseguiram superar os limites de suas leis de anistia. “Mas, lamentavelmente, o Brasil manteve a anistia para militares e policiais responsáveis por crimes sérios.”
A declaração do relator apela ainda para que a sociedade “não se deixe chantagear” pelo argumento de setores que insistem na ideia de que não seria conveniente reabrir o passado.

Nenhum comentário: