7 de mar de 2012

Aparelhagem foram vetadas como patrimônio cultural paraense


Jatene manteve o veto ao projeto de lei que declarava como patrimônio Cultural e Artístico do Estado do Pará o ritmo tecnobrega, as aparelhagens de som e seus símbolos. O veto recebeu parecer favorável na Comissão de Constituição e Justiça. Na votação em plenário, foram 17 votos a favor do veto, sete contrários e duas abstenções.

Em justificativa do veto, o governador, considerou relevante a proteção do ritmo musical ‘tecnobrega’, exclusivo do Pará, no entanto, “as aparelhagens de som e seus símbolos, não passam de meio material da divulgação do ritmo que não detém significação cultural ou artística, mas meramente técnica (sem qualquer inovação tecnológica) e comercial (os símbolos, marcas de propaganda)”.

3 comentários:

Anônimo disse...

O patrimonio é o pão e o sal de cada dia,o alimento que nos permite nutrir nosso sntido de pertencer dentro do exercicio da diversidade e a interculturalidade.Demais,o sustento do desenvolvimento social e econômico do país e um elemento que fortalece ax identidades cidadãs com seus entornos ambientais e culturais.è o que somos e o que temos.
O patrimônio é o suporte da dignidade e a identidade de todos e todas.
O patrimonio é um espelho,um andaime que d suporte ,material e espiritual a nosso projeto de fundar uma sociedade humana, soberana,sustentavel e includente

Anônimo disse...

Mesmo com tantos vacilos, dessa vez o governo acertou ao ser contra a essa agressão à cultura popular, à inteligência humana e aos típanos.

Anônimo disse...

Essas festas de aparelhagens nada mais são do que manifestações que reúnem meios incentivadores à ingenuidade,ao consumismo, disseminam letras bobocas ou apelativas à banalização sexual e, o que é mais grave, reunem usuários e traficantes de drogas,